Thórus Engenharia
Sistema especial de drenagem torna-se viável em edifícios verticais

blog

Sistema especial de drenagem torna-se viável em edifícios verticais

O sistema de drenagem utilizado nos estádios da Copa do Mundo, os novos shoppings centers e até mesmo o Museu do Amanhã, novo cartão postal do Rio de Janeiro/RJ e um dos grandes legados das Olimpíadas 2016, começa a ter equivalência de custo em comparação com o sistema tradicional.

A tecnologia tem sido uma grande aliada da construção civil, modernizando serviços, produtos e facilitando a vida das pessoas. O sistema de drenagem sob pressão ou sistema de drenagem sifónico, antes somente utilizado em algumas obras específicas, é uma dessas tecnologias que começa a se tornar mais acessíveis e viáveis financeiramente quando comparada ao sistema com tubos de PVC e concreto convencional.

Dentre as vantagens que o sistema de drenagem sifónico oferece está a redução do tempo de instalação, aumento da performance do sistema de drenagem pluvial e redução de espaço na instalação.

Entenda como funciona o sistema de drenagem sifónico

No sistema de drenagem sifónico existe um dispositivo hidráulico que impede a entrada de ar na tubulação, fazendo com que ele trabalhe sob pressão e o escoamento tenha maior uniformidade. Isso possibilita que a seção do tubo trabalhe cheia e que a água escoe em maior volume, permitindo uma maior vazão e potencializando o sistema somente pela ação da gravidade ou de um pressurizador.

O sistema também depende da altura do edifício, quanto mais alto maior será a vazão que escoará pelo duto.

Créditos da imagem: Amanco

Como o escoamento está sob pressão, a capacidade de drenagem do telhado é elevada e permite um menor número de captores, descidas pluviais, sem inclinação e um diâmetro menor ao comparado com os sistemas convencionais.

A possibilidade de não ter inclinação e também de utilizar tubulações menores diminui as interferências, principalmente nos desvios horizontais como no caso dos pavimentos de transição tetos de garagem e subsolos. Isso possibilita o aumento do pé-direito livre ou a diminuição do pé-direito bruto desses andares.

Quando o sistema de drenagem sifónico não é vantajoso

Uma limitação do sistema de drenagem sifónico é a ligação de captores em diferentes níveis na mesma prumada. Esse limite é de três metros entre eles, sendo assim, uma altura menor impossibilitará, por exemplo, fazer a ligação dos ralos das sacadas e áreas técnicas nesse sistema, o que torna necessário manter o sistema tradicional de drenagem.

Caso o prédio seja muito alto, os tubos deverão ser maiores ou deverão utilizar dispositivos para reduzir a velocidade do escoamento e evitar problemas de manutenção e rompimento da tubulação.

Capacidade de drenagem do sistema de drenagem sifónico é maior

Esse tipo de sistema pode drenar uma área de telhado até 12 vezes maior em relação ao sistema convencional.

Fonte: Saint-Gobain

Como escolher a melhor opção

O estudo comparativo técnico/financeiro é a forma mais eficiente para ajudar na escolha. Com ele, será possível comparar os preços dos dois sistemas, levando em consideração os impactos de cada um no empreendimento.

O custo unitário para a implantação do sistema é maior do que o convencional, por se tratar de mão de obra especializada e materiais mais caros. Mas o que se deve levar em conta é o quanto de impacto a drenagem pode causar, como por exemplo: número de descidas, captores, perda de área e pé-direito.

Por se tratar de um sistema que drena de 8 a 12 vezes a mais que o convencional, você pode comparar o quanto perderá de área e altura útil, custo de instalação e material, para ao final obter a melhor escolha.

 

Fornecedores existentes no mercado

No Brasil, os fornecedores mais comuns deste sistema são: a Saint-Gobain, que fornece o sistema em ferro fundido chamado EPAMS®, e a Amanco, que dispõe do sistema em PVC e algumas conexões roscáveis em latão, chamado Quickstream®. Cada uma delas conta com sistemas e suporte técnico para dimensionamento e verificação da viabilidade de instalação.

Créditos da imagem: Amanco

 

Creditos da imagem: Saint-Gobain

Aplicação prática do sistema

Em um estudo técnico/financeiro de um edifício de 20 mil metros quadrados havia uma dificuldade em chegar com a tubulação de drenagem até a caixa de coleta pública, acima do nível da mesma. A solução tradicional seria elevar o nível de todo empreendimento para viabilizar a drenagem. O maior impacto seria na parte das rampas de veículos e cadeirantes que dão acesso ao térreo e ao subsolo, pois precisariam ser remodeladas, o que inviabilizaria parte da área de lazer e algumas vagas de garagem.

Neste estudo, foi utilizado o sistema EPAMS da Saint-Goban, e substituídas as tubulações horizontais de PVC de 250mm com 1% de inclinação por tubulações de 150mm em ferro fundido sem inclinação. Também foi reduzida a quantidade de prumadas e utilizadas tubulações de 75 e 100mm, menores que as previstas anteriormente. Nas sacadas e áreas técnicas destinadas às máquinas de ar-condicionado foi mantido o sistema tradicional.

Uma detalhada coleta de dados é importante para qualquer tomada de decisão. Tenha em mente qual é a finalidade de seu empreendimento e os riscos que estão envolvidos. Compare custos e sempre consulte um profissional especializado.

Se você se interessou por este assunto, sugiro também a leitura do nosso post Quando vale a pena utilizar o PEX no lugar do PVC? e também O tubo Silentium da Amanco atende à norma de desempenho?

Deixe seu comentário sobre o que achou do nosso post!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Continue lendo:

GOSTOU DO CONTEÚDO?

Se inscreva na nossa newsletter​

A cada duas semanas, um conteúdo exclusivo em seu e-mail