Seis lições de Round 6 aplicadas à construção civil

Seis lições de Round 6 aplicadas à construção civil

A série Round 6 da Netflix tem movimentado as redes nas últimas semanas. A produção coreana virou um dos assuntos mais falados do momento e mesmo quem ainda não assistiu, já está por dentro de muitas coisas da história.
Inspirado pela série, o engenheiro civil Marcos Santos, do nosso time de Sucesso do Cliente, resolveu nos contar seis lições de Round 6 que podemos aplicar à construção civil. Será que é possível fazer essa conexão? O engenheiro nos prova que sim, então continue a leitura para entender e se inspirar também!

Lição 1: tenha parceiros

Bons parceiros é o que fará você ir mais longe.

Do início ao fim a série mostra que quando o assunto é sobreviver ter bons parceiros pode significar a sua permanência ou exclusão do jogo. Vemos isso em todos episódios, a cada desafio que Seong Gi-Hun (jogador número 456) enfrenta junto de seus amigos.

 

A pandemia mostrou para o mercado da construção civil a importância da criação de laços e de que unidos, podemos ser mais fortes. Com a escassez de materiais disponível para compra, as construtoras com fornecedores de longa data foram as que conseguiram continuar suas obras e não receberam tão fortemente o impacto inicial dos preços.
Dessa forma, quando não havia mais materiais disponíveis no Brasil, quando a compra do aço tinha de ser agendada com 6 a 12 meses de antecedência com a indústria, foi o estabelecimento de parcerias com os até então concorrentes, que possibilitou a compra compartilhada de insumos no exterior e garantiu que as obras não atrasassem ou até chegassem a parar diante dessa situação delicada.

 

Lição 2: o poder de uma boa imagem nos precede

Construa uma boa imagem, e deixe que ela fale por você.

Em Round 6, apesar de todos os jogadores estarem na mesma situação, há quem detenha uma certa reputação. Cho Sang-Woo (um investidor falido) é uma dessas pessoas. Dotado de uma grande inteligência, é amplamente conhecido e lembrado como o prodígio do seu bairro e não como alguém que perdeu todos bens de sua família através de investimentos alavancados.

Você já deixou de comprar algo porque um amigo ou alguém muito bem considerado por você falou mal do serviço ou produto oferecido? E quantas vezes você já comprou algo por uma indicação de um amigo?
Hoje, sabemos que a melhor forma de vender algo a alguém é através da indicação sincera de alguém próximo. Na construção civil, consideramos a indicação ainda mais importante, já que a compra de um apartamento ou casa para uma família muitas vezes significa a realização de um sonho.
Como alguém que decidiu comprar uma casa ou apartamento, sem dúvidas para mim, no momento em que eu estava decidindo entre comprar ou construir minha casa, a opinião de meus amigos que já haviam passado por isso foi fundamental. Ela inclusive pesou muito mais na minha decisão que os atributos técnicos dos apartamentos e casas que visitei ou dos orçamentos que realizei.
Apesar da qualidade de entrega dos apartamentos ser muito importante, enquanto buscava opções de apartamentos, o diferencial que pesava em minha decisão era a agilidade com que meus conhecidos que já haviam sido clientes e atendidos por aquela construtora tinham quando aconteciam problemas no seu lar e pela percepção deles do atendimento oferecido pela construtora.

Foi com base nisso que elenquei minhas opções de construtoras e entre as primeiras não estavam as que tinham apenas uma melhor qualidade de acabamento ou uma campanha forte de marketing, estavam as construtoras que dedicavam atenção ao atendimento e resolução do problema dos seus clientes e, por isso, foram indicadas por eles.

 

Lição 3: trabalhe com inteligência

Ser o mais rápido nem sempre significa ter sucesso no final.

– Batatinha frita 1, 2, 3.
Você também leu a frase anterior ouvindo a voz da boneca? Essa prova, apesar de ser a primeira, foi uma das que mais me marcou, nela é ensinada a importância de se trabalhar com inteligência e que nem sempre é preciso mover-se rápido, mas sim com sabedoria.

Aqui na empresa estamos passando por algumas dificuldades com entregas de grandes projetos em prazos apertados. Historicamente percebemos que quando temos muito trabalho para ser realizado em um tempo muito curto, ocorre uma queda de qualidade e posteriormente a ocorrência de retrabalho.
No final, a realidade que temos notado é que nessas situações de pressa perdemos mais tempo posteriormente em ajustes e correções do que se tivéssemos em nossa primeira entrega realizado o projeto em um prazo ideal.

Todos que trabalham com construção sabem ou irão saber em algum momento, seja na obra ou no escritório, como é lidar com prazos apertados. Hoje estamos dedicando boa parte de nossas energias e atenção no estabelecimento de metas para que cada trabalho seja feito somente uma vez, da melhor forma possível, com a melhor qualidade possível.
Sofremos, mas aprendemos que é fundamental parar, pensar, reavaliar e mover-se com um bom plano em direção ao nosso objetivo.

Leia também: 5 ferramentas que auxiliam no planejamento de obras

 

Lição 4: pense fora da caixa

O óbvio nem sempre será o melhor.

A prova colmeia de açúcar enfatiza a necessidade de ser ousado e desafiar métodos convencionais. Vendo que seria impossível sair vivo daquela situação fazendo o que a prova o induzia a fazer, o jogador 456 adotou uma estratégia inusitada, a de lamber o biscoito invés de usar a agulha para destacá-lo, e foi exatamente isso que permitiu que ele sobrevivesse.

Hoje temos diversas construtoras lançando empreendimentos conforme pesquisas de mercado e fazendo o que todos estão fazendo, apartamentos com dois quartos, vaga dupla, churrasqueira a gás e piscina com prainha, algo novo para você?

Leia também: 100 ideias para aplicar no seu empreendimento 

O mercado só é igual conhecemos porque permanecemos fazendo mais do mesmo, quando de repente aparece uma construtora que traz uma proposta inovadora para o mercado como a Vitacon fez. O modelo de negócios é totalmente alterado ao ponto de hoje já termos várias construtoras copiando sua até então concorrente, assim como ocorreu em Round 6 quando ao notar que o jogador 456 tinha mais sucesso lambendo o biscoito do que usando a agulha, todos seus concorrentes começaram a lamber o biscoito também!

Lição 5: uma boa estratégia supera uma boa equipe

Posicione a pessoa certa no lugar certo e você terá aí um forte indicativo de sucesso.

Entre as provas, o cabo de guerra talvez tenha sido a mais interessante para mim. Os competidores tiveram que formar 6 equipes de dez pessoas sem qualquer informação prévia de qual seria a prova.

Logo no início da seleção dos integrantes, um participante possuindo informação privilegiada sobre a prova, priorizou a escolha de jovens, fortes e do sexo masculino para sua equipe. E naturalmente se saiu vitorioso junto a seus companheiros. No entanto, foi o conhecimento e estratégia do jogador número 1, o jogador mais velho da competição e último a ser escolhido para uma equipe, que proporcionou a vitória para seu time, uma equipe com três mulheres e um idoso em uma prova de força em que todos foram pegos de surpresa.

Brincamos que construir no Brasil é resolver um problema cada dia, mas apesar de brincadeira, existe aí um grande fundo de verdade. Ainda temos um processo manual na maior parte das etapas de nossas obras e isso nos traz várias surpresas durante a execução de nossos projetos. Ter uma estratégia clara e a definição de quem resolverá cada situação imprevista, é o que permitirá a você assumir responsabilidades que precisam mais da sua atenção.
Em um canteiro de obras, você não irá colocar um pedreiro para instalar seu quadro de disjuntores, assim como não destinará um servente para conferência de materiais. Descobrir as qualidades de sua equipe e organizar as pessoas com característica de liderança estrategicamente é o que lhe permitirá economizar muita energia em não precisar estar a frente de tudo o tempo todo.

 

Lição 6: tenha especialistas a sua frente

Um especialista de tudo, é um especialista de nada.

O desafio da ponte de cristal, apresenta uma prova onde os jogadores precisam, em fila indiana, cruzar uma ponte de painéis de vidro os quais apenas alguns possuem a capacidade de aguentar o peso dos participantes.

O jogador número 13 (um especialista em vidros) nos ensina nessa prova que, apesar de o sucesso muitas vezes se basear numa questão de sorte, ter um especialista em sua área de atuação lhe guiando pelo caminho a ser trilhado reduz drasticamente o risco da sua ruína e lhe proporciona uma vantagem competitiva frente aos seus rivais.
A redução de comodities no Brasil devido à grande exportação de insumos ocorrida durante a pandemia nos mostrou o quanto o preço no setor da construção civil pode ser impactado por uma escassez de material e, principalmente, o quanto nosso método de construção está atrelado e limitado pelos estoques disponíveis de aço no mercado.
Com a falta de aço, as construtoras que tinham a sua frente bons calculistas e especialistas em estrutura capazes de reduzir seu consumo por m² de obra ou mudar seus sistemas construtivos de concreto armado para protendido, tiveram vantagem em relação aos seus concorrentes, o que fez que a falta de insumos não só não prejudicasse tanto os prazos e cronogramas de entrega, como também proporcionou um menor impacto financeiro para suas obras.

Como fala o Murilo Gun em suas palestras de criatividade, não adianta só aprendermos com as situações da nossa área, os melhores ensinamentos estão em áreas diferentes, que ao criarmos um paralelo para nossa realidade, geram aí as melhores ideias.

Que série sensacional! Espero que tenham gostado, não deixe de comentar aqui embaixo! Tem alguma outra série que vocês curtiram e gostariam que assistíssemos para trazer comentada aqui? Nos manda a dica!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Contineu lendo:

GOSTOU DO CONTEÚDO?

Se inscreva na nossa newsletter​

A cada duas semanas, um conteúdo exclusivo em seu e-mail