Thórus Engenharia
CPVC ou PPR: Qual é melhor? Mais barato? Fácil de instalar?

blog

CPVC ou PPR: Qual é melhor? Mais barato? Fácil de instalar?

Projetos executivos bem planejados costumam antecipar uma série de definições. Um dos formatos que utilizamos para registrar estas definições é através de um questionário específico para o sistema, também chamado de briefing. Uma das perguntas que mais geram dúvidas ao responder este questionário é a seguinte: qual tubulação você utiliza para água quente, CPVC ou PPR?

Antes mesmo de iniciar o projeto hidráulico, como saber qual a melhor escolha para o seu empreendimento?

Neste post vamos comparar o CPVC e o PPR, olhando principalmente 3 pontos: facilidade de instalação, manutenção e custo. Por fim, apresentaremos alguns depoimentos de profissionais que fazem as instalações e as diferenças entre os materiais.

Nosso objetivo com este conteúdo é ajudar você a fazer a melhor escolha para o seu edifício, por isso continue conosco.

Instalação

Qual é mais fácil de instalar? 

CPVC

PPR

A instalação do CPVC é feita a partir de uma cola para unir as tubulações e conexões.

Passo 01 – Cortar a tubulação no tamanho necessário, limpar as rebarbas e as conexões;

Passo 02 – Passar a cola na extremidade do tubo e no bocal da conexão;

Passo 03 – Juntar as duas peças, dando um quarto de volta e segurar por 30 seguntos.

Cuidados: Não interferir na junta nos primeiros 15 minutos, aguardar 8 horas para passar água e 24 horas para fazer o teste de estanqueidade.

https://youtu.be/U59CmSreQc8

A instalação do PPR é realizada através de fusão térmica a uma temperatura de 260ºC, formando um elemento único. Para isso é necessário o auxílio de um termofusor.

Passo 01 – Cortar a tubulação no tamanho necessário, limpar as rebarbas, as conexões e o termofusor;

Passo 02 – Colocar a extremidade do tubo e o bocal da conexão simultaneamente no termofusor, e aguardar pelo tempo indicado no manual do fabricante. Por exemplo o tempo de espera do PPR da Amanco leva 5 segundos para tubulação de 20mm e 50 segundos para tubulação de 110mm;

Passo 03 – Retirar as peças do termofusor e juntar as duas peças, sem girar e segurar por 20 seguntos.

https://youtu.be/bh_zk-3C3io

 

A facilidade de instalação é o grande diferencial do CPVC, por não precisar de equipamentos como a termofusora. Neste quesito não temos dúvida que o vencedor é o CPVC.

Custo

Fizemos um levantamento de materiais para comparativo de preços, considerando um edifício com 32 apartamentos tipo e dois apartamentos duplex. O trecho percorrido pela tubulação vai do aquecedor, até 3 banheiros, lavabo, lavanderia e cozinha. Segue a lista já com os valores. Este levantamento de custo foi realizado na loja Cassol de Joinville no mês de setembro de 2019. 

CPVC:

Fonte: Thórus Engenharia.

PPR:

Fonte: Thórus Engenharia

Os números não mentem: em nosso levantamento o material PPR saiu 36% mais barato. Ponto para o PPR!

Manutenção

E quando houver um problema, como uma ruptura de conexão ou um prego que acabou acertando na tubulação?

CPVC

PPR

Deve ser cortado o pedaço danificado e a manutenção pode ser feita utilizando duas luvas e um lubrificante próprio do fabricante. Coloca-se uma luva em uma das extremidades e a outra com um pedaço de tubo na outra extremidade. Feito isso, deslizam-se as luvas pra ficarem unidas deixando as partes cortadas no centro das luvas. Para execução de reparos o primeiro passo é fazer um corte perpendicular no trecho danificado do tubo. Em seguida, devem ser aquecidas as extremidades dos tubos e da luva com o termofusor, seguindo as medidas de comprimento e tempo de aquecimento de acordo com o manual do fabricante. Logo após, deve-se fazer a união das peças. Aqui temos uma grande dificuldade: aquecer a tubulação localizada na parede, o que  obriga a fazer uma abertura maior na alvenaria e aumenta o transtorno.

Não precisar levar a termofusora para realizar a manutenção, além da dificuldade de aquecimento da tubulação presa na parede, dão uma vantagem clara para o CPVC.

Principais diferenças e algumas curiosidades

– As cores que eles são fornecidos (independente do fabricante): o CPVC é na cor bege, e o PPR é fornecido na cor verde;
– Temperaturas que os dois materiais suportam: o CPVC suporta 60m.c.a. à 80ºC, e o PPR suporta a mesma pressão com 95ºC;
– Os diâmetros que são fornecidos: CPVC (mm) – 15, 22, 28, 35, 42, 54, 73, 89 e 114; PPR (mm) – 20, 25, 32, 40, 50, 63, 75, 90 e 110;
– O CPVC possui uma peça única chamada Junta de Expansão. Sua principal função absorver esforços, que tem origem através da variação da temperatura;
– O CPVC mais famoso é o Aquaterm da Tigre, porém existem outros fornecedores como o Flowgrard da Amanco;
– Existem vários tipos de PPR, para diversas resistências a grandes pressões. Aqui na Thórus, especificamos PPR para as prumadas de água fria e para o sistema de recalque de água em diversos edifícios.

Depoimentos

Fernando, encanador da Construtora DAXO:

“Já trabalhei com os dois materiais, ambos são ótimos. O PPR é mais, porém leva mais tempo para ser instalado e é mais complexo. Já o CPVC, mesmo sendo um pouco mais caro, a instalação é rápida e muito simples de fazer. Pra ter uma comparação simples, pra fazer um apartamento em CPVC eu demoraria 1 dia e digamos que custaria R$1.000,00, por exemplo. Este mesmo apartamento em PPR eu demoraria 2 dias e cobraria R$1.500,00.”

Orlando Cordeiro de Souza, proprietário da empresa KS Construção Civil:

“Já trabalhei com os dois materiais. Na minha opinião o CPVC é mais prático, já que o PPR exige mais ferramentas e é melhor trabalhando com duas pessoas. Ambos os materiais precisam de mão de obra especializada. Prefiro trabalhar com CPVC, mas se tivesse que trabalhar com PPR, trabalharia cobrando a mais pelo serviço. Não precisam de muita manutenção se forem executados de forma correta.”

Fabiano, encanador:

“Trabalho frequentemente com os dois materiais e, tendo experiência não se tem dificuldade nas instalações. A compra não é em todos os materiais de construção que se encontra, mas nos maiores sempre tem. Tanto CPVC quanto PPR são uma boa opção para água quente, mas na minha opinião PPR é melhor. Com relação a mão de obra especializada é importante ter um bom profissional. Entre os dois materiais prefiro trabalhar com CPVC pela rapidez nas instalações, mas trabalho com os dois se necessário. O PPR acaba saindo um pouco mais caro pois é mais trabalhoso e demora um pouco a mais a execução. Os dois materiais requerem pouca manutenção, são excelentes materiais. ”

Conclusão

Levando em conta os procedimentos para instalação e manutenção, o CPVC se sobressai como um sistema mais prático. Provavelmente por estas razões, segundo os depoimentos coletados, ele seja o “queridinho” dos instaladores. Porém o PPR é significativamente mais barato, o que leva naturalmente ao empreendedor, que assina o cheque, a ter preferência por este. Escolha difícil, não acha?

Pois bem, se você terceiriza a mão-de-obra, nossa sugestão é que você solicite dois orçamentos – um para CPVC e outro para PPR. Como vimos em nosso exemplo, a diferença de valores do material é grande. Ao fazer a verificação dos números, o padrão “mão-de-obra + CPVC” fica mais barato que “mão-de-obra + PPR”. Porém também conversamos com alguns construtores que afirmam que, na maioria dos casos, a “mão-de-obra + PPR” fica mais em conta.

Se você tem mão-de-obra própria e tem um grande volume de serviço, o CPVC é vantajoso. O ganho de produtividade pode compensar o custo do material, e caso os valores ainda ficarem próximos, a vantagem de uma manutenção mais fácil em caso de pós-obra, acaba pesando pela escolha do CPVC.

O que achou deste conteúdo? Ele foi útil para você de alguma forma?

Comente abaixo se ficou alguma dúvida, ou para falar da sua experiência com algum destes materiais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Continue lendo:

GOSTOU DO CONTEÚDO?

Se inscreva na nossa newsletter​

A cada duas semanas, um conteúdo exclusivo em seu e-mail