Thórus Engenharia
Como viabilizar um Edifício Net Zero Energy

blog

Como viabilizar um Edifício Net Zero Energy

Em nosso post anterior, fizemos uma introdução ao conceito Net Zero, explicando os principais objetivos e algumas vantagens desta metodologia frente ao modelo convencional de construção.Hoje vamos entender o segmento mais popular da série Net Zero, o Net Zero Energy Building (NZEB) ou Zero Net Energia. Quando pensamos em um edifício eficiente e sustentável um dos primeiros itens que pensamos é o consumo de energia. 

Como já comentamos no post anterior Net Zero, nossas construções retêm 35% de toda a energia consumida pela sociedade e, infelizmente, consumimos mal e de forma desequilibrada.

E por isso, neste post mostramos o que são edificações zero energia e como é possível transformar seus projetos comuns em energicamente sustentáveis, viabilizando o Zero Net Energia. Confira:

O que são edificações Zero Net Energia?

Um edifício zero energia parte da criação de soluções arquitetônicas e de engenharia que tornam esta construção autossuficiente nas questões energéticas.

Essas soluções envolvem o uso inteligente de climatização, luz natural, materiais otimizados, coberturas e fachadas verdes, energias renováveis, entre outras.

Otimizar uma edificação energeticamente é vantajoso não só para o meio ambiente, na diminuição de emissão de gás carbônico na atmosfera, mas para o bolso do usuário, devido a notável redução na conta de energia.

Podemos encontrar outras definições mais técnicas para o segmento NZEB, de acordo com o National Renewable Energy Laboratory (NREL) dos Estados Unidos, cada qual com sua complexidade e o seu desafio para implementação. Entenda:

 

– Energia Local: em um ano o prédio deve produzir pelo menos o mesmo que consumiu on-site, esta metodologia é a mais comum e muito utilizada no Brasil;

net zero

– Fonte de Energia: no período de um ano o prédio deve produzir pelo menos o mesmo que consumiu on-site, além de produzir a quantidade de energia gasta para chegar até o ponto de consumo – como a de geração, armazenamento e transporte de energia;

fontes de energia

– Custo de Energia: neste caso a edificação é paga pela energia inserida na rede, produzida pela fonte renovável própria, portanto a NREL usa o termo de Zero Net Custo de Energia para descrever um edifício que vende mais energia para um utilitário do que compra. 

custo de energia

– Emissões de Energia: deve-se produzir on-site ou comprar energia renovável, sem emissões, pelo menos na mesma proporção que o consumo de energia que geram emissões – neste requisito muitas localidades no Brasil apresentam vantagens nesse balanço energético, devido a significante quantidade de hidroelétricas, as quais geram poucas emissões. 

net zero

Podemos observar a complexidade das diferentes designações do que são edificações Zero Net Energia, mas não pense que é impossível alcançar estas métrica. Fique com a gente para conhecer estratégias de como viabilizar seu projeto energeticamente sustentável!

Estratégias de edificações Zero Net Energia

Alto desempenho é o que buscamos com estratégias de eficiência energética. Para alcançar esse objetivo atente-se aos principais itens abaixo que geram impacto na edificação.

Arquitetura Bioclimática

arquitetura bioclimatica

Pensar em estratégias bioclimáticas na concepção do projeto arquitetônico é o início de tudo. Nesta fase é interessante aliar o design com simulações energéticas para otimizar o uso dos recursos naturais. Algumas ideias são:

Orientação solar e dos ventos;

Geometria do edifício;

Aberturas criando ventilação cruzada e aproveitando a luz natural;

Utilizar brises e beiral no telhado para sombreamento;

Cobertura verde e jardim vertical;

Porcentagem da abertura e altura das janelas;

Considerar a carga térmica gerada por pessoas e equipamentos para os diferentes tipos de ambientes; etc.

Envoltória da Edificação

Outro aspecto que compõem a arquitetura é a envoltória da edificação. Um revestimento adequado é muito importante para o isolamento térmico e conforto dos usuários. 

Essa tomada de decisão depende de alguns fatores, como: a zona térmica que será construído; se o local é predominantemente frio ou quente; e das características culturais daquela região (tendem a abrir muito as janelas ou mantém a casa na sua maioria fechada?).

Confira os itens que devem ser analisados em envoltórias eficientes:

Tipos de materiais e a espessura de paredes;

Escolha de vidros com o desempenho desejado – regiões quentes optar por vidros Low-e, por exemplo;

Verificar as aberturas e suas vedações;

Revestir com materiais que oferecem isolamento termo-acústico – escolha opções com nanotecnologia;

Analisar a absortância da cor da tinta ou do revestimento utilizado na fachada.

Equipamentos e Iluminação Eficientes

Um vilão do consumo de energia em edifícios é o uso de equipamentos elétricos. 

Portanto, é crucial especificar aos nossos clientes produtos com Selo Energy Star; indicar o uso de aquecimento da água por placas solares; e simulação de resfriamento e aquecimento, para melhor especificação destes equipamentos.

A iluminação artificial dos ambientes também deve ser analisada com atenção. Pode-se realizar simulações para melhor especificação, porém com a utilização de lâmpadas de Led, utilização de iluminação automatizada em áreas comuns e até sistemas fotossensíveis – controlam a luminância de acordo com a incidência solar – ajudam muito na redução do consumo energético.

Energia Renovável

Implementar energia renovável no seu empreendimento é a “cereja do bolo” do NZEB. Após alcançar o máximo de desempenho energético, entra o papel da fonte limpa de energia para suprir o restante do consumo. 

Com o avanço da tecnologia encontramos várias alternativas, porém as mais utilizadas para edificações são as placas fotovoltaicas. 

Geralmente essas placas são instaladas na cobertura, entretanto essas áreas são reduzidas em prédios verticalizados. 

Felizmente o mercado já disponibiliza muitas soluções solares para implementar em fachadas, os chamados BIPV (Painéis Solares Integrados na Construção), confira alguns tipos:

Fitas adesivas orgânicas fotovoltaicas (OPV);

Vidros solares translúcidos – até 30% de visibilidade;

Painéis e vidros opacos para fachada – em diversas cores.

Operação e Manutenção

operações e manutenções

Para o funcionamento de um edifício eficiente é imprescindível uma correta operação dos usuários. 

Afinal são eles que utilizam os sistemas e equipamentos. Um Manual de Uso, Operação e Manutenção deve ser realizado e seguido. 

Assim, efetivamente esta edificação será considerada Zero Net Energia.

O aprofundamento do conteúdo é crucial para o correto dimensionamento dos itens. Assim como, buscar uma consultoria para realizar um projeto integrado e programado é vital neste caso.

Apenas pela aplicação dos itens discutidos em conjunto pode-se realizar o NZEB. Porém a lição que aprendemos nesse post é que: só é possível viabilizar tal projeto devido a redução do consumo, no caso o que deixamos de gerar.

Primeira Edificação do Mundo a Receber Certificação Zero Energia é Brasileira

O primeiro edifício no mundo a alcançar o selo LEED Zero Energy (em português, Liderança em Energia e Design Ambiental), concedidos pelo World GBC (Green Building Council), é a sede comercial da Petinelli, em Curitiba-PR. 

Além disso, também recebeu o certificado GBC Brasil Zero Energy. Um marco muito importante que traz notoriedade para o Brasil no cenário de construções verdes e eficientes. 

edificação net zero

Deixe nos comentários o que achou dessas estratégias Net Zero Energy. O próximo post da série será Net Zero Water. Até lá!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Continue lendo:

GOSTOU DO CONTEÚDO?

Se inscreva na nossa newsletter​

A cada duas semanas, um conteúdo exclusivo em seu e-mail