Skip to content

Cenário Construtivo Brasileiro 2019: o que a pesquisa revela

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
pesquisa cenário construtivo brasileiro

O ano de 2019 acabou de passar, porém parece que foi em uma outra época, não? Pouco se falava em crise, e com certeza não se falava em pandemia, distanciamento social e coronavírus.

Tendo em vista que na época em que vivemos, em pouquíssimo tempo tudo pode mudar, estamos nos preparando para trazer para você a 2ª edição da nossa pesquisa: O Cenário Construtivo Brasileiro 2020. Porém, enquanto aguarda por ela, que tal relembrar alguns dos principais insigths que a 1ª edição trouxe?

Para descobrir como anda o Cenário Construtivo Brasileiro e revelar para você as melhores práticas no mercado da construção civil, nós, da Thórus, entrevistamos 167 empresas entre construtoras e incorporadoras no período de 03/10/2019 a 14/11/2019.

Dividimos a pesquisa em 4 pilares principais:

  • BIM
  • Norma de Desempenho
  • Inovação
  • Gerenciamento de obras

O perfil das construtoras e incorporadoras no Brasil

Nessa pesquisa, 43% dos respondentes foram sócios ou proprietários das empresas e mostraram grande preocupação com o seu setor de engenharia.

Contamos com o apoio da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), dos Sindicatos da Construção das principais cidades brasileiras e também empresas de iniciativa privada. Com isso, obtivemos uma boa amostragem de todas as regiões do país.

Porém, a maioria (46%) dos participantes foram da região Sul.

Além disso, 69% dos entrevistados responderam que o padrão predominante das suas obras é de um VGV de até R$ 6.000,00/m², sendo que 78% projetaram um faturamento de até R$ 50 milhões ao final do ano de 2019.

A maioria das empresas não utilizam BIM (Building Information Modeling)

A tecnologia BIM vem provocando uma grande repercussão na indústria da construção. Apesar disso, nossa pesquisa sobre o Cenário Construtivo Brasileiro, mostrou que mais da metade das empresas entrevistadas (52%) nunca trabalhou com BIM.

Acreditamos que um dos motivos é a falta de informação e de entendimento sobre o que é a tecnologia BIM, e quais benefícios ela pode proporcionar.

Isso ficou um pouco mais evidente quando 71% dos entrevistados responderam que desconhecem o termo ou não possuem o BIM Mandate na sua empresa.

Já para aqueles que utilizam a metodologia, responderam que os principais motivos para adotarem a tecnologia BIM em maioria são: melhorar a compatibilização, melhorar o detalhamento do projeto, melhorar a assertividade nos quantitativos de  materiais.

Desta forma, percebemos que as respostas demonstraram uma insatisfação com o processo tradicional  no desenvolvimento de projetos e uma busca pela tecnologia BIM para resolver estas questões.

Outro dado interessante é que 56% dos entrevistados afirmaram que o custo dos seus projetos aumentou em até 25%, porém 90% das construtoras e incorporadoras relataram que as incompatibilidades em suas obras diminuíram.

Norma de Desempenho: NBR 15.575

Publicada em 2013, a norma 15.575 estabelece critérios para medir o desempenho das edificações habitacionais. É interessante saber que seis anos após a publicação desta norma, 30% dos entrevistados ainda não haviam tomado nenhuma medida para se adequar a ela.

Das que tomaram medidas para se adequar, 75% afirmam que foi necessário fazer alguma mudança no seu sistema construtivo. Já 78% disseram que houve aumento no custo total da obra para atender a esta norma.

Várias novas disciplinas de projetos passaram a ser contratadas, dentre as quais podemos destacar: esquadrias, conforto acústico e impermeabilização.

Para 55% das construtoras e incorporadoras o maior desafio para atender essa norma é o desinteresse ou desconhecimento dos projetistas sobre o tema. Outro desafio citado, com 53% foi a de falta de informações sobre os materiais e componentes construtivos.

Na transformação digital, o mercado de construção civil ainda está em adaptação

Em um mundo cada vez mais tecnológico, usar novas técnicas a seu favor pode trazer um diferencial competitivo.

Segundo as construtoras e incorporadoras entrevistadas, os métodos construtivos mais buscados são formas de industrializar o processo. O objetivo é aumentar o controle da qualidade e reduzir a geração de resíduos, como por exemplo: os kits hidráulicos e as paredes de concreto.

Porém 47% das empresas disseram que não utilizam nenhum método inovador em suas obras.

A automação das áreas comuns e a utilização de sistemas de acesso por biometria e reconhecimento facial estão sendo cada vez mais procurados, porém a tecnologia mais utilizada durante o processo são os drones, tanto para realização de vídeos e imagens, como para mapeamento do terreno através de nuvem de pontos.

Questionadas a respeito da digitalização dos seus processos, tanto de obra quanto administrativos, a etapa de orçamento de obras foi o destaque, seguido pelo planejamento e controle e a gestão de documentos.

Gerenciamento de obras

O objetivo do gerenciamento de obras é otimizar os recursos a assegurar a qualidade dos projetos e construções. Conforme a pesquisa, no cenário construtivo brasileiro, a maioria (63%) das empresas responderam que entregam a construção dentro do prazo.

Por outro lado, quando o assunto é orçamento 60% ultrapassam o que foi previsto inicialmente.

Quase 60%  relataram que o maior motivo de assistência técnica no pós-obra são as infiltrações, seguido de fissuras nas paredes (37%) e detalhes de pintura (33%).

Do total de entrevistados, quase 70% afirmaram que possuem uma média de custo de até 3% do valor total da obra destinados para reparos no pós-obra.

Essas informações foram úteis para você? Então clique aqui e baixe a pesquisa completa! E fique à vontade para compartilhar este material com outros colegas e profissionais da área.

 

Continue lendo:

Gostou do conteúdo?

Se inscreva na nossa Newsletter

A cada duas semanas, um conteúdo exclusivo em seu e-mail

Gostou do conteúdo?

Se inscreva na nossa Newsletter

A cada duas semanas, um conteúdo exclusivo em seu e-mail